Obesidade: Uma abordagem multidisciplinar

Tratamos de um assunto que esta sempre em evidência, e que nos dias atuais tem tido grande discussão em todos os meios, e, é tratado, prevenido e combatido por uma equipe multidisciplinar de profissionais da área da saúde e especialistas. A Obesidade é considerada uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura no organismo com desproporção na distribuição de gordura pelo corpo. Cerca de 250 milhões de pessoas no mundo apresentam sobrepeso ou obesidade, sendo que quase todos os países sofrem dessa epidemia inclusive o Brasil. O excesso de gordura visceral (intra-abdominal) é considerado um fator de risco maior que o excesso de peso total, pois envolve os órgãos do abdômen e está correlacionada com diabetes, pressão alta, colesterol alto doenças cardiovasculares e síndromes metabólicas. A obesidade também aumenta o risco de incidência de alguns tipos de câncer, como mama, intestino, estômago e próstata. Nas meninas, predispõe ao desenvolvimento da puberdade precoce. Já a gordura localizada (subcutânea, logo abaixo da pele, que forma os ‘’pneuzinhos’’ e os culotes) não oferece riscos graves para a saúde, é problema mais estético, mas que precisa de atenção porque pode ocorrer simultaneamente ao excesso de gordura-visceral.

A obesidade tem causa multifatorial, envolvendo questões biológicas, econômicas, sociais, políticas e culturais. Mais a principal causa costuma ser o desequilíbrio entre o consumo alimentos e o gasto de calorias. A genética costuma ser contribui com menos 10% dos casos e outros fatores como comportamento alimentar, sedentarismo e prática de atividade física possuem maior influência sobre o excesso de gordura corporal. Algumas doenças endócrinas como hipotireoidismo e problemas no hipotálamo, representam menos de 1% dos casos de excesso de peso. Segunda a Organização Mundial da Saúde (OMS), nos últimos anos houve um aumento global do consumo de alimentos altamente calóricos e ricos em gordura, sal açúcar, mais pobres em vitaminas, minerais e outros micronutrientes. Ao mesmo tempo ocorreu uma queda na atividade física por causa do aumento de atividades laborais de natureza sedentária.

No nosso meio a obesidade apresenta-se visível cada vez mais, e o nosso combate se faz através de uma alimentação balanceada combinada com uma rotina diária de atividade física. Em nossas mãos tem chegado alunos apresentando resultados além dos níveis considerados ideais pela OMS, no que diz respeito a resultados de medidas de circunferências e composição corporal. Passou do ponto da melhora estética, aí vem nossa preocupação como profissional da área. Esse público em geral busca resultado imediato, e nem sempre quer respeitar as fases de adaptação do seu corpo ao treinamento realizado, querem logo pular etapas. Por isso, se você não quer fazer parte desta estatística tome uma atitude saudável, esqueça as receitas milagrosas e tratamentos de choque, se alimente adequadamente, pratique atividades físicas regularmente, não existe milagre, e o mais importante, procure uma boa academia com bons profissionais e mude seu estilo de vida pra melhor.

Por Professor Rodrigo Ramalho

@rodrigo_rr84

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*