TREINO HIIT: ADAPTAÇÕES E EFEITOS

É com grande satisfação com que venho falar de uma aula que implementamos no quadro de horários da nossa academia, que tem tido cada vez mais alunos adeptos, e ao mesmo tempo gerado duvidas em nossos alunos, sobre seus efeitos, métodos, adaptações, ganhos e perdas. Estou falando do TREINO HIIT (HIGH INTENSITY INTERVAL TRAINNING, ou treinamento intervalado de alta intensidade) o treino da moda. Durante as férias estive pesquisando bastante sobre o TREINO HIIT e a sua relação com o aumento da oxidação de gordura, e esta é a sua principal promessa. Uma modalidade que tem fundamento no conceito atual e cientificamente comprovado de emagrecimento, e queima de gordura que consiste na intensidade elevadíssima do treinamento, mas quando se fala de treinamento intenso podemos estar falando de vários protocolos diferentes para o Treino Hiit, iremos ver desde 5 minutos diários até 12 minutos de treino Hiit 3 vezes na semana, protocolos com exercícios corporais, série na sala de musculação, corrida na rua ou esteira. Mas não basta se matar fazendo qualquer tipo de exercício, pois o conceito da intensidade é muito mais amplo do que se imagina e deve ser feito baseado em conhecimentos científicos. O fenômeno que explica o porquê de os exercícios mais intensos serem mais eficientes para a queima de gordura se chama EPOC (Excess Post-Exercise Oxygen Consumption, ou Consumo excessivo de oxigênio após o exercício)e se relaciona também com o gasto calórico pós-treino. Durante muito tempo acreditava-se que bastava calcular os gastos calóricos durante a atividade física em questão, mas como no organismo humano nada é tão linear, diversas pesquisas foram feitas para buscar de fato como o gasto calórico poderia auxiliar no emagrecimento e na queima de gordura. Em um estudo publicado na Jornal Strenght and Conditiong Research examinou efeitos do treinamento de curto prazo de alta intensidade intervalo(HIIT) sobre a função cardiovascular, aptidão cardiorrespiratória e força muscular de jovens de 20 anos. Onde os indivíduos foram expostos ao teste de Wingate e observou-se alterações na pressão arterial de repouso(PA), e frequência cardíaca (FC),VO2max a composição corporal, o oxigênio (O2) de pulso, o índice  de fadiga e produção de força voluntária dos músculos da coxa. Os resultados mostraram melhoras significativas (p<0,05) no VO2max, pulso de 02 e Wingate derivados com o HIIT potência. A magnitude da melhoria em VO2max, pulso de O2, reduziu a gordura corporal e aumentou a potência em jovens ativos.

Para nossa realidade do dia a dia das aulas buscamos com a implementação do Treino Hiit, utilizar todas as informações e experiências adquiridas em nossas pesquisas para organizar um protocolo adequado para nossos alunos, visando chegar a um mesmo objetivo comum: condicionamento, emagrecimento, oxidação de gorduras, diminuição do percentual de gordura, perda de peso. Para nossa satisfação os resultados têm sido surpreendentemente positivos, nossos alunos estando cada vez mais satisfeitos, e nossas aulas cada vez mais lotadas nos dando margem para abrirmos novas turmas.

Por fim gostaria de dizer que o treino HIIT não é um lançamento, ou uma descoberta minha, cópia ou coisa similar. Trata-se da organização de uma atividade física, baseada em adaptações físicas decorrentes de diversos estudos científicos que analisaram as respostas das variáveis do treinamento, nesse caso a intensidade, e todas as informações aqui colocadas foram em cima de estudos científicos, textos auxiliares e conhecimentos dos meus estudos pessoais. A discussão sobre o assunto é ampla e nunca deverá se dar por encerrada.

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*